sexta-feira, 18 de maio de 2012

FEUDALISMO NA EUROPA IDADE MÉDIA- RESUMO


Veja aqui um resumo de como funcionou o Feudalismo na Europa durante a Idade Média.
Como todos sabem o Império Romano foi um dos maiores impérios que já existiu, mas com o tempo, a partir do século III ele começou a enfraquecer através das constantes invasões de povos bárbaros, entre eles os germânicos. Isso acabou resultando na desestruturação do Império Romano, fazendo com que ele fosse dividido em duas partes distintas, uma localizada no Ocidente e outra em Bizâncio, passando a se chamar Constantinopla e atualmente Istambul.  
Entenda como funcionavam os feudos e sua organização.
Foi a parte do Ocidente que sofreu mais com as contradições internas, além de ser devastada por invasores, então não conseguindo mais manter o seu poderio, não resistiu, tendo seu poder dividido, assim as cidades ficaram vazias, pois a população sem a proteção do imperador, que não tinha dinheiro para manter as fronteiras, assim não conseguindo proteger as cidades, que eram os principais alvos dos invasores, não via outra saída a não ser abandonar as cidades, assim o comércio e a produção artesanal também caíram.  

Além disso, as guerras de expansão do Império haviam chegado ao fim, e como dessas que os romanos adquiriam seus escravos, a mão de obra escrava que era base da economia romana desapareceu, assim os latifúndios, grandes propriedades rurais onde os escravos eram mantidos, perderam sua importância. Então em seu lugar, começou a surgir vilas, que tinham como objetivo se auto sustentar, pois como o comércio havia sido prejudicado, as vilas teriam de encontrar um meio de resistirem sozinhas. 

 Assim os colonos ou servos, trabalhadores que entregavam parte do que produziam ao dono da terra, em troca de proteção e do uso da propriedade do senhor, se tornaram a principal mão de obra das vilas. Mais tarde os pequenos agricultores também entregaram suas terras aos grandes proprietários em troca de proteção. 

Essas relações que resultaram na formação dos feudos. Geralmente o feudo era doado pelo seu senhor a um nobre, entre eles cavaleiros, condes, viscondes, entre outros títulos de nobreza que davam privilégios à família dos nobres. Quem doava a terra era chamado de suserano ou senhor e o que recebia a terra denominava-se vassalo.   

A terra não pertencia ao vassalo, ele apenas poderia usufruir dela, não tendo o direito de vendê-la a ninguém. Mas no século IX a situação mudou, pois o feudo tornou-se um bem hereditário, sendo assim o vassalo que recebia as terras se tornava o dono dela, e podia doar parte dela para outro homem e assim tornar-se também um suserano ou senhor. E quando morresse, o feudo pertenceria à sua descendência. 

 O vassalo além de ter a obrigação de cuidar da terra, tinha que oferecer seu serviço militar ao suserano, por isso quanto maior o número de vassalos ele tivesse, maior seria o seu prestígios e mais protegido estaria.  A sociedade feudal era dividida em três ordens, clero, nobreza e servos. Os membros do clero eram os que pertenciam à Igreja Católica e sua função era cuidar da fé cristã, a nobreza era composta por todos os responsáveis pela guerra e segurança, entre eles os cavaleiros, senhores feudais, condes, viscondes, entre outros que viviam em grandes fortalezas, os castelos medievais, e por fim os servos tinham como função trabalhar para sustentar toda a população do feudo.  
Além dos servos, também existiam os pequenos proprietários que haviam entregado suas terras a um senhor, estes eram chamados de vilões, apesar de ser homens livres, eles deviam várias obrigações ao senhor feudal. Nessa época mesmo em menor número ainda existiam escravos, que faziam as atividades domésticas. Nessa época também havia artesãos, que eram considerados homens livres, mas que também tinham que pagar impostos aos senhores feudais.  

Publicidade:


Economicamente o feudo era dividido em três áreas, o manso senhorial, manso servil e terras comunais. O manso senhorial representava um terço da área total, nela os servos trabalhavam alguns dias por semana e toda a produção pertencia ao senhor feudal. O manso servil era uma área em que os servos poderiam produzir em usufruto próprio, mas parte do que era produzido deveria ser entregue como pagamento ao senhor feudal.

 E as terras comunais, era a parte do feudo de uso comum dos servos e senhores, onde ficava a pastagem do gado, onde era extraída a madeira, praticada a caça, a qual só poderia ser exercida pelos senhores. Na Idade Média existiam moedas, mas como elas não eram muito utilizadas, as pessoas costumavam trocar mercadorias.  
Os servos apesar de trabalharem para os senhores feudais deveriam pagar impostos para eles por utilizarem suas terras, os pagamentos eram divididos em seis tipos distintos. Entre eles a corveia, a prestação de trabalho gratuito durante vários dias da semana no manso senhorial, a talha que era a entrega ao senhor de parte da produção obtida no manso servil, a banalidade, pagamento da taxa pelo uso do forno, do lagar, local onde fazia o vinho e do moinho, entre outros equipamentos que pertenciam ao feudo. 

O censo era um pagamento em dinheiro, que somente os vilões e homens livres eram obrigados a pagar, a capitação era um imposto por cabeça, pago apenas pelos servos e por fim a mão-morta era uma taxa paga pelos familiares do servo, que permaneceriam explorando a terra após a sua morte.  Quanto à religião, o catolicismo dominava toda a Europa, sendo que a Igreja Católica, na época tinha grande poder e influência. 

Pois através da fé do povo a Igreja influenciava o modo de pensar, a psicologia e as formas de comportamento na Idade Média, além de ter grande poder econômico, pois também tinha sua parte de terras, sem ser obrigada a pagar impostos e uma grande quantidade de servos trabalhando.  Nessa época os senhores feudais se envolviam em muitas guerras para obter mais poder, então era ai que entravam os cavaleiros, que formavam os exércitos medievais. 
Eles eram corajosos e leais aos seus senhores, representavam o que havia de mais nobre na Idade Média. Quanto à educação, somente os filhos de nobres tinham o direito de estudar, e ainda através da Igreja que fazia questão de limitar o estudo da população, pois assim seria mais fácil ser manipulada por ela. Então eles aprendiam somente latim, doutrinas religiosas e táticas de guerras. 

Quem não era nobre, geralmente era analfabeto e não tinha acesso aos livros.  Assim como o estudo, a arte medieval também era muito influenciada pela Igreja, sendo que as pinturas retratavam passagens da Bíblia e ensinamentos religiosos. O fim do feudalismo se deu aos poucos, sendo apressada através da Crise do século XIV, onde houve muitos acontecimentos que levaram à dissolução do sistema feudal. 

Entre eles a produção escassa de alimentos, causando a fome em vários locais da Europa, a falta de estrutura nas cidades para suportar o aumento da população, esses dois fatores unidos também desencadearam uma série de epidemias, como a pior de todas, a peste negra que matou cerca de um terço de toda a população europeia. 

A mortalidade aumentou também devido a inúmeras guerras, sendo a maior delas a Guerra dos Cem Anos, entre a Inglaterra e a França.  Toda essa situação causou a revolta dos camponeses que começaram a queimar as propriedades e assassinar os senhores feudais, foi assim que os reis começaram a se fortalecer, o comércio e as cidades foram se desenvolvendo, e assim com outros fatores como o uso da moeda, o surgimento da burguesia, o Renascimento e as Grandes Navegações, o feudalismo se encerrou, dando lugar aos tempos modernos. 



Gostou do Blog?? Cadastre seu E-Mail e Receba as Atualizações:
FEUDALISMO NA EUROPA IDADE MÉDIA- RESUMO
Blog DCH- Fotos e Vídeos

0 comentários :

Postar um comentário

Não encontrou? Pesquise no Google:

Sobre o Autor:

Rafael Zucco
, 30 anos, Palmeirense, Guarulhense e Boa Gente, escreve Profissionalmente em Blogs desde 2008 e gosta de jogar Poker nas horas vagas.